FanFic Nacional
Inscreve-te no fórum para teres acesso a comentários, galerias e votações.

Que Lugar É Este?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Que Lugar É Este?

Mensagem por mrmadeirense em Qui Jun 21, 2012 3:26 am

Que beleza estranha, que aglomerado de lívidos mas sujos edifícios.
Também podia descrevê-lo como um imenso arvoredo mas isso tornaria o Tejo num falso regato.
As entranhas vazias pousam num vestido e revestido osso maciço.
Sim, eles existem!
Ali! Sentados, deitados, mortos ou dessangrados, eu já os vi...
Uns falaram, outros emitiram gritantes sons silenciosos, outros olharam para mim e o olhar vazio era tão rico, tão cheio, tão...desgastado. Outros apenas retesavam o braço que escondia um livro aberto que ansiava pela puta solidariedade.
Mas também vi a tribo de pedras que se dizem senhores, que pousam sobre os pilares que penetram a cálida rua Augusta.
Vi a virgem colina que hospedou o alto castelo, e a sombra da descorada nuvem abandonada pela sua tribo.
As ruas deixam-se desenhar por um negro que prevalece firme, num branco cada vez mais lúgubre.
A cicatriz cruza-se com as rugas que se cruzaram com os sinais e a efélide. O ladrão cruza-se com o polícia e o turista com o endógeno. O palhaço e o público, o pedófilo e a criança, as mágoas e as alegrias, todos eles cruzam as mesmas ruas e respiram o mesmo ar.
As despidas árvores, tímidas na sua ignorância rapidamente voltam-se a vestir, umas mantém-se arrogantemente verdes, outras optam pela tolerância e revelam-se artistas miméticos.
O ruído da desprezível rotunda batalha continuamente com os poderosos pássaros, e um simples cântico ressoa duma velha harpa escondida nos oxidados pulmões da invisível ave. Eles ganham, por agora.
Eu também já ganhei, mas nunca escolhi adversários fortes. Nunca me debati com a centenária árvore que pousa robusta nas tecidas mágoas dos desconhecidos que por ali passaram. Nunca enfrentei o Tejo que esconde o seu corpo num cristal desfragmentado a que chamam água. Mas já muito vi como para me preocupar com o que me falta ver.
Se já fui capaz de ouvir a melodia das vibrações nas pequenas ervas que adornam os poros de toda esta calçada, porquê preocupar-me em ver o que mostra vossa mísera visão?
Mas este lugar tão estranhamente genuíno seguirá aqui, e seguindo os passos do amor apaixonar-se-á por outro que não serei eu.
avatar
mrmadeirense
Austen
Austen

Localização : Lisboa

Histórias Publicadas : -----------

http://crisesexistenciais.blogspot.pt/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum